A informalidade que persiste

o trabalho doméstico e racialidade no período pós pandêmico

Autores

  • Kamilla de Freiras Fernandes Centro Universitário do Pará
  • Roberta Carolina Araujo Dos Reis Universidade Federal do Pará
  • Sandra Suely Lurine Guimarães

Palavras-chave:

interseccionalidade, trabalho doméstico, mulheres negras, COVID-19, informalidade

Resumo

O objetivo desse trabalho é analisar, à luz da perspectiva interseccional, a informalidade do trabalho doméstico, no Brasil, notadamente no período pós pandêmico. Desta feita, utilizou-se do método dedutivo, recorrendo à pesquisa bibliográfica e às informações fornecidas por institutos de pesquisa sobre os efeitos da pandemia na vida de mulheres negras.  Como é sabido, o trabalho doméstico guarda certa relação de continuidade com as atividades realizadas por mulheres escravizadas no ambiente privado, de modo que na atualidade o universo de trabalhadoras domésticas no Brasil é constituído majoritariamente por mulheres negras. O estudo chama atenção para a  questão da informalidade do trabalho doméstico que já era uma realidade mesmo antes da pandemia, mas que foi agravado em razão dessa crise sanitária, de modo que no contexto pós pandemia, há inclusive uma dificuldade dessas trabalhadoras retornarem ao mercado, o que as coloca em situação de graves vulnerabilidade. Nesse contexto, é imprescindível compreender os efeitos dessa informalidade nessa atividade laboral e conclui-se que a pandemia pode ser uma oportunidade séria de reflexão sobre a necessidade de profundas alterações nas estruturas sociais, que historicamente engendram e legitimam as desigualdades de gênero e raça que afetam sobremaneira a vida das mulheres racializadas, como ficou claro no contexto pandêmico.

Biografia do Autor

Kamilla de Freiras Fernandes, Centro Universitário do Pará

Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil Brasileiro sob a ótica das famílias e sucessão (CESUPA). Integra o Grupo de Pesquisa (CNPQ/UFPA): Filosofia Prática: investigações em política, ética e direito – FilPed. Membro da Comissão das Mulheres e Advogadas - CMA OAB/PA e associada da Escola Brasileira de Direitos das Mulheres – EBDM. E-mail: Fernandes.kamilla15@outlook.com. Nacionalidade: Brasileira, Belém – Pará

Roberta Carolina Araujo Dos Reis , Universidade Federal do Pará

Advogada. Mestranda em Direito (PPGD UFPA). Pós-graduanda em Direito Agroambiental (CESUPA). Integra o Grupo de Pesquisa (CNPQ UFPA): Filosofia Prática: Investigações Em Política, Ética E Direito - Filped. E-mail: robertacarolinareis@gmail.com. Nacionalidade: Brasileira, Belém – Pará

Sandra Suely Lurine Guimarães

Doutora em ciências sociais, Professora Da Faculdade De Direito E Programa De Pós-Graduação Em Direito Do Instituto De Ciências Jurídicas Da UFPA. Pesquisadora da Clínica de combate ao trabalho escravo da UFPA. Email: sandralurine@yahoo.com.br. Nacionalidade: Brasileira, Belém – Pará

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2022-04/mulheres-negras-sao-65-das-trabalhadoras-domesticas-no-pais#:~:text=As%20mulheres%20representam%2092%25%20das,inferior%20a%20um%20sal%C3%A1rio%20m%C3%ADnimo. Acesso em 2 mai. 2023

ALMEIDA, Silvio Luiz. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ÁVILA, Maria Betania. O tempo do trabalho das empregadas domésticas: tensões entre dominação/exploração e resistência. 2009. Recife: UFPE. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/hfkrxjk394hGLSK8W8fyCsR/. Acesso em: 2 mai. 2023.

ÁVILA, Maria Betânia; FERREIRA, Verônica. Trabalho doméstico remunerado: contradições estruturantes e emergentes nas relações sociais no Brasil. Psicologia & Sociedade, v. 32, 2020.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

COSTA, Renata Gomes; VIEIRA, Monique Soares. As contribuições de Heleith Saffioti para a análise do emprego doméstico no Brasil. Lutas Sociais, v. 23, n. 43, p. 271-284, 2019. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ls/article/view/52171. Acesso em 2 de maio de 2023.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2013.

DIEESE. Boletim: As dificuldades das mulheres chefes de família no mercado de trabalho. Boletim. 2023. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2023/mulheres2023.html. Acesso em: 2 mai. 2023.

DIESSE. Trabalho doméstico no Brasil Infográfico. 2023. Disponível em: https://www.dieese.org.br/infografico/2022/trabalhoDomestico.html. Acesso em: 2 mai. 2023.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FERREIRA, Lola. No Brasil, 63% das casas chefiadas por mulheres negras estão abaixo da linha da pobreza. 12 de dezembro de 2019. Disponível em: https://www.generonumero.media/reportagens/casas-mulheres-negras-pobreza/. Acesso em: 2 mai. 2023.

GENERO E NUMERO; SOF. Sem parar o trabalho e a vida das mulheres na pandemia. 2020. Disponível em: https://mulheresnapandemia.sof.org.br/wp-content/uploads/2020/08/Relatorio_Pesquisa_SemParar.pdf. Acesso em: 2 mai. 2023.

HIRATA, Helena; Kergoat, Daniele. Divisão Sexual do Trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão. in DE OLIVEIRA COSTA, Albertina et al. Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. FGV Editora, 2008.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 4ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

IPEA. PINHEIRO, Luana; TOKARSKI, Carolina Pereira; VASCONCELOS, Marcia. Vulnerabilidades das trabalhadoras domésticas no contexto da pandemia de Covid-19 no Brasil. 2020. in IPEA Nota Técnica n. 75. Disponível em: https://portalantigo.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/nota_tecnica/200609_nt_disoc_n_75.pdf. Acesso em 3 mai. 2023.

MANTOVANI, Emanuele; AREOSA, Silvia Virginia Coutinho. 2021.Trabalho doméstico na pandemia de covid-19: A Agudização dos conflitos e contradições. IN: Anais do XI Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul. Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidr/article/viewFile/20901/1192613451. Acesso em: 2 mai. 2023.

MAZZEI Nogueira, C., & GOUVEIA Passos, R. (2020). A divisão sociossexual e racial do trabalho no cenário de epidemia do covid-19: considerações a partir de Heleieth Saffioti. Caderno CRH, 33, e020029. Disponível em: https://doi.org/10.9771/ccrh.v33i0.36118. Acesso em: 29 mai. 2023.

ONU MULHERES. Gênero E Covid-19 Na América Latina E No Caribe: Dimensões De Gênero Na Resposta. 2020. Disponível em: https://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2020/03/ONU-MULHERES-COVID19_LAC.pdf. Acesso em 2 de maio de 2023.

PNAD CONTINUA. Trabalho doméstico no Brasil. 2023. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html. Acesso em: 2 mai. 2023.

RIBEIRO, Djamila. A utopia de Angela Davis. BOITEMPO, São Paulo, 2016. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2016/06/09/a-utopia-de-angela-davis.Acesso em 27/05/2020. Acesso em: 3 mai. 2023.

SAFFIOTI, Heleith. Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis: Vozes, 1978.

SANARMED. Linha do tempo do Coronavírus no Brasil. 2023. Disponível em:https://www.sanarmed.com/linha-do-tempo-do-coronavirus-no-brasil. Acesso em: 2 mai. 2023.

TEIXEIRA, Juliana. Trabalho doméstico. Editora Jandaíra, 2021.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo Decolonial. São Paulo: Editora Ubu, 2020.

Publicado

09.07.2023

Como Citar

DE FREIRAS FERNANDES, K.; CAROLINA ARAUJO DOS REIS , R.; SUELY LURINE GUIMARÃES, S. A informalidade que persiste: o trabalho doméstico e racialidade no período pós pandêmico. Jus Scriptum’s International Journal of Law, [S. l.], v. 7, n. Especial, p. 164–193, 2023. Disponível em: https://internationaljournaloflaw.com/index.php/revista/article/view/161. Acesso em: 21 fev. 2024.