A não mulher

uso de estereótipos de gênero, raça e classe na representação de Suzane Von Richthofen pelos meios de comunicação e na produção cinematográfica brasileira

Autores

  • Camila Henriques Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.29327/5282263.1-1

Palavras-chave:

Suzane Von Richthofen, estereótipos, interseccionalidade, meios de comunicação, produção cinematográfica brasileira

Resumo

A considerar que o discurso e a comunicação tendem a reproduzir estereótipos construídos socialmente, interessou-se em pesquisar os produtos e representações midiáticas e cinematográficas acerca do caso Suzane Von Richthofen, que ganhou novamente notoriedade em 2021 com o lançamento do filme A menina que matou os pais. Utilizando uma abordagem qualitativa, o método hipotético-dedutivo e um procedimento monográfico e comparativo, busca-se, compreender a representação de Suzane Von Richthofen, a partir da interseccionalidade das categorias de estereótipos de gênero, raça e classe, nos meios de comunicação e na produção cinematográfica brasileira. A pesquisa bibliográfica abrange periódicos, bancos de dados de universidades, livros e plataformas de filmes da Amazon. A revisão de literatura subsidia a análise e é embasada nas obras de Simone de Beauvoir e Lélia Gonzalez. O artigo, assim, contribui para uma compreensão mais aprofundada dos discursos midiáticos e cinematográficos sobre criminalidade e gênero, destacando a importância da análise interseccional para uma visão crítica dessas representações

Referências

ALVES, FRANCISCA ELENIR. De escrava a Cidadã: Educação trabalho e emancipação das Trabalhadoras domésticas. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação. Orientador: Àlamo Pimental. Salvador, 2013.

ARARUNA, MARIA LÉO (org.). Nós trans: escrevivências de resistência. Grupo Transcritas Coletivas. Belo Horizonte: Litera Trans, 2017; Berenice Bento. Transviad@s. Gênero, secualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

AZEVEDO, THIAGO AUGUSTO GELÃO DE. Direitos Para Alienígenas Sexuais. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2021.

BEAUVOIR, SIMONE DE. O segundo sexo: fatos e mitos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p. 11.

BUTLER, JUDITH. O gênero em disputa: feminismo e subversão identitária Buenos Aires, Paidós, 1990.

BUTLER, JUDITH. Corpos que importam. Sobre os limites discursivos do 'sexo'. Nova York: Routledge, 1993.

DATESMAN, SUSAN K.; SCARPITTI, FRANK R. Women, Crime, and Justice. New York: Oxford University Press, 1980

DENNO, DEBORAH W. Gender, Crime and the Criminal Law Defenses. The Journal of Criminal Law and Criminology, v. 85, n. 1, 1 (Summer, 1994), pp. 80-180. Northwestern University Pritzker School of Law. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1144115. Acesso em: 3 jun. 2023.

ENTREVISTA AO JORNAL DO MNU. In: Por um feminismo Afro-latino-americano. FLÁVIA RIOS; MÁRCIA LIMA (org.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020. p. 427-441.

FEDERICI, SILVIA. Mulheres e caça às bruxas: da idade média aos dias atuais. Tradutora HECI REGINA CANDIANI. Título original: Witches, Witch-Hunting, and Women. São Paulo: Boitempo, 2019. E-book.

GONZALEZ, LÉLIA. A juventude negra brasileira e a questão de desemprego. In: Por um feminismo Afro-latino-americano. FLÁVIA RIOS; MÁRCIA LIMA (org.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020. p. 53-58.

GONZALEZ, LÉLIA. A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica. In: Por um feminismo Afro-latino-americano. FLÁVIA RIOS; MÁRCIA LIMA (org.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020. p. 59-82.

GONZALEZ, LÉLIA. A mulher negra no Brasil. In: Por um feminismo Afro-latino-americano. FLÁVIA RIOS; MÁRCIA LIMA (org.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020. E-book. p. 214-232.

GONZALEZ, LÉLIA. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Por um feminismo Afro-latino-americano. FLÁVIA RIOS; MÁRCIA LIMA (org.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020. E-book. p. 97-123.

HARAWAY, DONNA; KUNZRU, HARI; TADEU, TOMAZ (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2.ª ed. Belo Horizonte: Autência Edutora, 2009.

LAQUEUR, THOMAS. Inventando o sexo. Corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LOMBROSO, CESARE; FERRERO, GUGLIELMO. A mulher delinquente: a prostituta e a mulher normal. Título original: La donna delinquente: la prostituta e la donna normale. Turim, Roma (Itália): Editori L. Roux e C., 1893. Tradução de Antonio Fontoura Junior. Curitiba: Antonio Fontoura, 2017.

MARTINS, RENATA DUVAL. Servidão doméstica: uma análise do caso Siwa-Akofa Siliadin à luz das normas da Organização Internacional do Trabalho. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Direito. Orientadora: Luciane Cardoso Barzotto. Porto Alegre, 2017.

MENDONÇA, LIGIA GAMA E SILVA FURTADO DE. Da perversão-polimorfa à estrutura perversa: um estudo sobre a possibilidade de haver ‘mulheres’ estruturalmente perversas. Tese (doutorado) – Centre de Educação e Humanidades. Instituto de Psicologia. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Orientadora: Rita Maria Manso de Barros. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/14556. Acesso em 04 jun. 2023.

MORAES, SUANY OLIVEIRA DE. Construção de simulacros na revista Veja: o caso Suzane Von Richthofen. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação. Mestrado em Estudos de Linguagens. Departamento de Letras. Centro de Ciências Humanas e Sociais. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Orientador: José Genésio Fernandes. Campo Grande, MS, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1465. Acesso em: 04 jun. 2023.

NOVAES, ELIZABETE DAVID; MURARI, ANA PAULA. Uma reflexão teórico-sociológica acerca da inserção da mulher na criminalidade. Sociologia Jurídica, [s. l.], n. 10, jan./jun. 2010.

PEREIRA, MARCELA RAGE. A invisibilidade do trabalho escravo doméstico e o afeto como fator de perpetuação. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Direito. Orientadora: Lívia Mendes Moreira Miraglia. Belo Horizonte, 2021.

PERROT, MICHELLE. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

PRECIADO, PAUL B. Manifesto contrassexual: Práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

SANTANA, BIANCA. Prefácio. In: FEDERICI. Mulheres e caça às bruxas: da idade média aos dias atuais. Tradutora HECI REGINA CANDIANI. Título original: Witches, Witch-Hunting, and Women. São Paulo: Boitempo, 2019. E-book.

SOIHET, RACHEL. O corpo feminino como lugar de violência. Proj. História. São Paulo, v. 25, dez. 2002. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/10592/7882. Acesso em: 31 mai. 2021.

TELLES, LORENA FERES DA SILVA. Libertas entre sobrados: contratos de trabalho doméstico em São Paulo na derrocada da escravidão. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo, 2021

WELTER, BARBARA. The Cult of True Womanhood: 1820 - I860. American Quarterly, 18. 1966.

SITES, MÍDIA E PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA

A MENINA que matou os pais. Direção: Maurício Eça. Produção: Santa Rita Filmes. Brasil: Santa Rita Filmes, 2021. Amazon prime (86 min.) son., color.

ALVES, LUCAS. Suzane von Richthofen – Quem é, história do crime e curiosidades. Segredos do mundo, [s. l.]. Curiosidades. Disponível em: https://segredosdomundo.r7.com/suzane-von-richthofen/. Acesso em: 28 mai. 2021.

ASSASSINATO DOS RICHTHOFEN escandalizou Brasil em 2002. G1. São Paulo, 09 set. 2006, atualizado em 25 out. 2006. Disponível em: https://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,AA1255845-5605,00.html. Acesso em: 04 jun. 2023.

BRUNATO, INGREDI. Os 20 anos dos assassinatos Von Richthofen: na visão de um investigador do caso. Aventuras na História. São Paulo, 31 out. 2022, atualizado em 06 nov. 2022. Matérias. Suzane Von Richthofen. Disponível em: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/os-20-anos-dos-assassinatos-von-richthofen-na-visao-de-um-investigador-do-caso.phtml. Acesso em: 04 jun. 2023.

CANAL F relembra caso Von Richthofen. [S. l.: s. n.], 15 fev. 2011. 1 vídeo (4 min.). Publicado na plataforma Globoplay. Acesso em 04 jun. 2023.

CASO Richthofen vai a júri amanhã: Defesa de Suzane usará tese de coação? em nome do amor? e advogado dos irmãos Cravinhos tentará convencer que a moça foi a mentora do assassinato. O tempo, São Paulo, 04 jun. 2006. Brasil. Disponível em: https://www.otempo.com.br/brasil/fiocruz-assina-na-terca-contrato-para-produzir-ifa-da-vacina-da-astrazeneca-1.2492712. Acesso em: 31 mai. 2021.

COSTA, PRISCYLA. O veredicto: Suzane e Daniel pegam 39 anos e seis meses de prisão. Consultor jurídico, [s. l.], 22 jul. 2006. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2006-jul-22/suzane_daniel_pegam_39_anos_seis_meses_prisao. Acesso em 28 mai. 2021.

DANIEL CHORA com cartas de amor. O tempo. São Paulo, 21 jul. 2006, atualizado em 26 abr. 2013. Disponível em: https://www.otempo.com.br/brasil/daniel-chora-com-cartas-de-amor-1.292184. Acesso em: 04 jun. 2023.

DEFESA de Suzane apela para teses polêmicas para inocentá-la. Gazeta do Povo. [s. l.], 20 jun. 2006. Vida Pública. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/defesa-de-suzane-apela-para-teses-polemicas-para-inocenta-la-a2t71orynm1ez17llh8x0uzim/. Acesso em: 31 mai. 2021.

DEFESA de Suzane alega que a ré tem uma deficiência mental. Gazeta digital. [s. l.], 07 jun. 2006. Brasil. Disponível em: https://www.gazetadigital.com.br/editorias/brasil/defesa-de-suzane-alega-que-a-re-tem-uma-deficiencia-mental/112579. Acesso em: 31 mai. 2021.

FREIRE, FLÁVIO. Fui para cima e dei as pauladas. O Globo, [s. l.], 18 jul. 2006. O país, p. 3. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/401445/noticia.htm?sequence=1. Acesso em: 28 mai. 2021.

FREIRE, FLÁVIO. Parentes de suzane não vão ao julgamento. O Globo, [s. l.], 18 jul. 2006. O país, p. 3. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/401445/noticia.htm?sequence=2. Acesso em: 28 mai. 2021.

FREITAS, PEDRO. Caso Suzane Von Richthofen: a menina que planejou a morte dos pais. Megacurioso, [s. l.], 03 mar. 2021. Disponível em: https://www.megacurioso.com.br/misterios/117808-caso-suzane-von-richthofen-a-menina-que-planejou-a-morte-dos-pais.htm. Acesso em: 28 mai. 2021

GRIGORI, PEDRO. 19 anos do caso Richthofen: relembre a cobertura jornalística do crime que parou o país. Correio Braziliense. [s. l.], 31 out. 2021. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2021/10/4959553-19-anos-do-caso-richthofen-relembre-a-cobertura-jornalistica-do-crime-que-parou-o-pais.html. Acesso em: 04 jun. 2023

ÍNTEGRA da sentença que condenou Suzane von Richthofen e os irmãos Cravinhos. Migalhas, [s. l.], 4 jul. 2006. Quente. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/quentes/27826/integra-da-sentenca-que-condenou-suzane-von-richthofen-e-os-irmaos-cravinhos. Acesso em: 28 mai. 2021.

O MENINO que matou meus pais. Direção:.Maurício Eça. Produção: Santa Rita Filmes. Brasil: Santa Rita Filmes, 2021. Amazon prime (88 min.) son., color.

PALOMBA, GUIDO. In: Suzane Von Richthofen (Temporada 1. Ep. 02). Investigação criminal [série]. Direção: Beto Ribeiro. Produção: Medialand. Brasil: Medialand, 2012. Amazon prime (44 min.) son., color. 27 min. 40 segs.

SALADA, RICARDO. In: Suzane Von Richthofen (Temporada 1. Ep. 02). Investigação criminal [série]. Direção: Beto Ribeiro. Produção: Medialand. Brasil: Medialand, 2012. Amazon prime (44 min.) son., color.

SUZANE Von Richthofen (Temporada 1. Ep. 02). Investigação criminal [série]. Direção: Beto Ribeiro. Produção: Medialand. Brasil: Medialand, 2012. Amazon prime (44 min.) son., color.

SUZANE VON RICHTHOFEN: relembre o caso que chocou o Brasil. Canal Ciências Criminais. [s. l.], 03 jun. 2023. Disponível em: https://canalcienciascriminais.com.br/caso-suzane-von-richthofen/. Acesso em: 04 jun. 2023.

TUCUNDUVA, CÍNTIA. In: Suzane Von Richthofen (Temporada 1. Ep. 02). Investigação criminal [série]. Direção: Beto Ribeiro. Produção: Medialand. Brasil: Medialand, 2012. Amazon prime (44 min.) son., color. 12 min.

TUDO SOBRE Suzane Von Richthofen. O globo. G1. [s. l.], [várias datas]. Disponível em: https://g1.globo.com/tudo-sobre/suzane-richthofen/. Acesso em: 04 jun. 2023.

Publicado

09.07.2023

Como Citar

HENRIQUES, C. A não mulher: uso de estereótipos de gênero, raça e classe na representação de Suzane Von Richthofen pelos meios de comunicação e na produção cinematográfica brasileira. Jus Scriptum’s International Journal of Law, [S. l.], v. 7, n. Especial, p. 12–68, 2023. DOI: 10.29327/5282263.1-1. Disponível em: https://internationaljournaloflaw.com/index.php/revista/article/view/159. Acesso em: 13 jul. 2024.